Mulher usando terminal automático

IoT: Você já conhece?

Internet das Coisas (IoT, da sigla em inglês para Internet of Things) trata-se da maneira como as coisas estão conectadas e “conversando” entre si e com os usuários. É a famosa conectividade: o carro que conversa com o aparelho celular, a geladeira com wi-fi, câmeras de segurança e os smartwatches e outros tipos de wearables, que estão ficando cada vez mais comuns no nosso vocabulário e na nossa vida. Tudo isso está, em todo o tempo, se comunicando entre si, e eles já são mais numerosos do que nós, humanos: hoje em dia existem mais objetos conversando na internet do que pessoas.

Basicamente, este conceito é o caminho para o futuro. Através da conectividade das coisas, estaremos, dentro de pouco tempo, vivendo em uma realidade em que a cidade estará conectada. Este conceito existe, o de smart cities. A ideia é fazer com que os sistemas que regem a vida urbana estejam ligados através da rede. Por exemplo, o sistema de transportes, com um maior controle do tráfego, em que os automóveis se comunicarão uns com os outros – além da existência de veículos autônomos – e os ônibus e demais veículos de transporte público serão capazes de atualizar o usuário sobre sua localização e possível tempo de atraso.

Um exemplo de uma empresa que está mergulhando na conectividade é a Amazon que, no último dia 22, a primeira loja sem atendentes e caixas registradoras, em Seattle (WA). A loja é completamente automatizada e conectada, cheia de câmeras de segurança e sensores. O pagamento é feito depois do cliente sair da loja: a cobrança chega no cartão de crédito registrado no aplicativo.

A Internet das Coisas, de maneira geral, existe, cada vez mais, para tornar o nosso dia-a-dia mais fácil. Mas, é claro que existem preocupações realmente válidas, sobretudo a respeito da segurança da rede nesses casos. Com vários equipamentos conectados à internet a todo momento, existem mais possibilidades de invasões de hackers com a intenção de roubar dados principalmente das grandes empresas, o que representa uma séria ameaça à privacidade no ambiente virtual.

No entanto, existem várias empresas que trabalham em prol da segurança no meio virtual, entre as máquinas conectadas. É claro que, no caso das smart cities, por exemplo, é mais difícil controlar o fluxo de informações e quem consegue acessa-las, mas no caso de empresas que fazem uso da internet das coisas, existem várias soluções em proteção e segurança.

Assim, os usuários e profissionais da área da tecnologia seguem esperançosos por este futuro que não está tão distante do nosso alcance. Aliás, há quem considere que estejamos vivendo ou prestes a viver a chamada quarta revolução industrial, que se dá devido às milhões de possibilidades que a Internet das Coisas proporciona para a indústria: a inteligência artificial é capaz de dar mais agilidade à produção.